Há alguns dias, a Dé fez um post em seu Instagram falando um pouco sobre as transformações pelas quais já passou com o seu cabelo, e como tudo isso pode se tornar uma reflexão superimportante para nós, mulheres, entendermos que não existe modismos ou padrões que devemos seguir. E com esse post INCRÍVEL, nasceu também uma hashtag manifesto que ela mesma criou – só sai coisa boa daquela mente criativa, né? – e que rendeu uma matéria empoderadora, com direito a entrevista e tudo.

Mas antes de falar sobre o bate-papo incrível que eles tiveram, vamos primeiro ao texto que a Dé escreveu sobre o assunto e que impulsionou toda essa discussão:

SOBRE MUDANÇAS CAPILARES: e se substituirmos “cabelo do momento” por “cabelo do meu momento”? Essa foto foi tirada dias antes da minha versão atual. Nem melhor, nem pior. Acredito que a melhor é sempre a sua escolha de agora. E se, em algum momento, eu resolver ter um corte que já tive? Deixar crescer? Voltar a ter cabelão? Não importa. Nunca mais serei a mesma. Cortei, experimentei, gostei e aproveitei. E a velha Débora não existe mais, ela saiu da zona de conforto. Estou em constante mudança e meu exterior é apenas um reflexo das transformações internas ✨ Qual seu momento? Quero ver a nossa diversidade incrível também.

 

O CABELO ANTES DA MUDANÇA – E ESSA FOI A FOTO USADA PARA ILUSTRAR O TEXTO ACIMA:

Talvez vocês já tenham se deparado com situações em que as pessoas ao redor palpitam no seu cabelo, em como ele deve ser, que corte, comprimento ou cor devem seguir. E isso tem que ser sempre uma escolha 100% nossa, não é? Pensando nisso, ao final desse post acima, a Débora sugeriu que as seguidoras compartilhassem suas cabeleiras atuais com a hashtag #CABELODOMEUMOMENTO.

O jornal O Povo de Fortaleza enxergou a importância de falar sobre isso também e resolveu fazer uma entrevista mega bacana com a Dé. Segue na íntegra as perguntas e respostas da coluna Buchicho Beleza:

 

  • OP: Você já tinha cortado o cabelo curto e por que mudar?

      Débora: sim, eu já cortei o cabelo ainda mais curto no ano passado, quando fui casar. Mas ele cresceu rápido e logo fiquei com o cabelão. Eu decidi mudar porque meu cabelo não me representava mais. Passei a enxergar uma Débora do passado, uma menina de 20 anos na faculdade com aquele apego ao cabelo. Eu estava com muita vontade de fazer a franja e repicar. Pra mim, o mais radical não foi o comprimento, foi a experiência de repicar e fazer um corte vintage. Isso foi o mais impactante.

 

  • OP: Como você está se sentindo depois da mudança?

      Débora: eu acredito que a forma que você está agora é o seu melhor. Então, eu gosto de aproveitar cada fase que estou vivendo, até porque meu cabelo cresce muito rápido. Com ele curto, percebi que essa mudança causou impacto nas pessoas que seguem o meu trabalho. Estou me sentindo muito bem e feliz com o meu cabelo. Gosto quando meu cabelo reflete como me sinto por dentro. E é isso que está acontecendo no momento.

 

  • OP: Como você trata os fios? Existe algum produto indispensável para garantir o sucesso do corte?

      Débora: esse é o corte mais trabalhoso que já tive, porque ele exige que você o arrume todos os dias. Pra mim, isso é um ponto negativo, porque sou muito prática. Tenho muita preguiça de ficar arrumando, mas nada que um babyliss ou finalizador não resolva. Eu tenho que modelar e ativar os cachos fazendo movimentos para cima e usar alguns finalizadores.

 

 

  • OP: Em dias de transição capilar e aceitação dos ondulados, volumosos e cacheados, qual a sua opinião sobre os “cortes do momento”, que são vendidos pela indústria de beleza?

      Débora: eu não acredito que exista o “corte do momento”, acredito que existe o seu momento, pois o ser humano está em constante mudança, vivendo experiências novas e se enxergando de diversas formas.

 

  • OP: Que dica você daria para as meninas que desejam mudar, mas sentem medo?

      Débora: primeiro, a mudança tem que partir de você, permita-se experimentar. Viva as suas fases e não fique parada esperando que decidam por você. A minha feminilidade está na minha atitude e é isso que eu sinto com o meu novo corte. Coragem de ser, de dentro pra fora.

 

O CABELO DEPOIS DA MUDANÇA:

 

++Veja também: Vamos falar sobre cabelos?

Vou reforçar aqui o convite da Dé – que é inspiração absoluta pra quem quer assumir o cabelo do SEU MOMENTO, aquilo que é genuinamente a verdade individual de cada uma: postem fotos dos seus fios atuais com a hashtag #cabelodomeumomento. E bora ser feliz com os nossos cabelinhos!

 

Jéssica Aragão
http://tudoorna.com/
Eu sou a Jéssica, tenho 24 anos, paulistana, viciada em montar boards do Pinterest e apaixonada pelo universo da moda, beleza e decor!